Home » PacaembuCNC » Transações digitais tomam espaço das agências bancárias

Transações digitais tomam espaço das agências bancárias

15 de abril de 2015
PacaembuCNC

Operações financeiras por internet ou telefone móvel têm crescimento exponencial, segundo pesquisa da Febraban

Mariana Pitasse
mariana.pitasse@brasileconomico.com.br

O número de agências bancárias no Brasil se manteve estável em 2014, segundo a Pesquisa de Tecnologia Bancária da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) divulgada ontem, que mostrou aumento expressivo do número de transações financeiras por meio digital — pela internet ou por telefone móvel. De acordo com o levantamento, o número de agências somou 23 milhões no ano passado, o mesmo existente em 2013. Já o número de Postos de Atendimento Bancário (PABs) e Postos de Atendimento Eletrônico (PAEs) apresentou leve crescimento, passando de 49 milhões em 2013 para 51 milhões em 2014.

Ao mesmo tempo, o número de transações bancárias realizadas nas agências, terminais de auto atendimento (ATMs) e contact center apresentou queda em 2014. Segundo levantamento, a soma do volume de transações das modalidades passou de 37% em 2013 para 32% no ano passado. Consequentemente, mais da metade, um total de 52%, das transações bancárias feitas no ano passado foram realizadas via internet e mobile banking. Em 2013, a soma das transações online foi de 47%.

Ainda segundo o estudo, atualmente 47% das contas ativas no país, um total de 51 milhões, realizam transações utilizando internet banking e 24%, o equivalente a 25 milhões, em smartphones. Somente em mobile banking, houve um crescimento significativo no volume de movimentações financeiras em 2014 quando comparado ao ano anterior. Transferências, DOCs, TEDs e pagamentos de contas apresentaram incremento de 180%, totalizando 260 milhões de transações. Outro destaque foi a contratação de crédito, que registrou um aumento de 190% e chegou a 10 milhões de transações.

Já via internet banking, a pesquisa apontou um crescimento de 8% do número de transferências, DOCs e TEDs e de 11% no pagamento de contas. Juntos, esses serviços somam mais de 1,5 bilhão de transações. A contratação de crédito por esse meio também teve alta de 20% — representando um montante de 40 milhões.

Para o diretor Setorial de Tecnologia Bancária da Febraban, Gustavo Fosse, mesmo com o uso de diferentes canais para a realização de transações, as agências bancárias continuam sendo importantes neste novo contexto. “As agências, de fato, ganham um novo papel no atual cenário e passam a ser mais consultivas. Muitos clientes procuram seus gerentes para saber mais sobre novas oportunidades de investimento e serviços que podem ser contratados, com base em seus perfis”, destacou.
Por outro lado, a presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região, Juvandia Moreira, defende que o crescimento da utilização dos meios digitais para as transações financeiras traz mais ganhos para os bancos do que para os clientes.

“A automação não é um movimento ruim, mas sim os seus resultados. Quando um banco implanta o sistema digital, ele gasta muito menos, mas isso não tem reflexo nas tarifas cobradas aos clientes. Pelo contrário, o cliente gasta com internet, luz e com as taxas cobradas pelos bancos. Além disso, não se pode falar que é uma alternativa apresentada ao consumidor, porque se tem filas quilométricas nas agências presenciais, além de atendimento lento, pois existe um menor número de bancários trabalhando e cada vez mais sobrecarregados”, afirmou, acrescentando que esse é o resultado da diminuição dos postos de trabalho. “O bancário que antes cuidava de 400 clientes em média, hoje é responsável por 700. Uma economia que só atende aos empresários”.

A coordenadora institucional da Proteste Associação de Consumidores, Maria Inês Dolci, complementa que os bancos tem o dever oferecer mais informação para que os clientes aprendam a lidar com as novas tecnologias. “O consumidor precisa de informação para comparar os preços das tarifas dos diferentes bancos e entender o melhor plano para o seu perfil. Os clientes também precisam de transparência para compreender que a opção é sua, se preferirem ser atendido presencialmente, os bancos devem oferecer essa opção. Acredito que a tendência dos dias de hoje é tornar os atendimentos cada vez mais digitais e o consumidor tem que estar preparado para isso”.

Fonte: Brasil Econômico – 15/04/15

E-mail

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

^