Home » PacaembuCNC » MP 232, que aumentaria tributos do setor de serviços, caiu há 10 anos

MP 232, que aumentaria tributos do setor de serviços, caiu há 10 anos

01 de abril de 2015
PacaembuCNC

IBPT teve papel destaque na luta da sociedade contra o aumento abusivo de impostos
Há exatos 10 anos, a serem completados no dia 31 de março de 2005, o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT e centenas de entidades representativas do setor de serviços e da sociedade civil obtiveram uma importante vitória ao derrubar, no Congresso Nacional, a Medida Provisória 232, publicada na calada da noite do dia 30 de dezembro de 2004, e que traria significativo aumento para os prestadores de serviços de todo o País. A MP alterava a base de cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro de 32% para 40%, majorando em 63% a carga tributária do setor.

De acordo com o presidente do Conselho Superior do IBPT, Gilberto Luiz do Amaral, um dos impulsionadores do movimento, “a mudança significaria um aumento de 13,5% nos gastos do consumidor brasileiro. A MP também poderia provocar mais de 100 mil demissões e um acréscimo de mais de 200 mil trabalhadores informais no mercado”.

Diante da medida, que estava prestes a ser convertida em lei, o IBPT e o Conselho Regional de Contabilidade do Paraná – CRC PR lançaram, em 12 janeiro daquele ano, em Curitiba, a Frente Brasileira Contra a MP 232. Na sequência, o movimento recebeu a adesão e o apoio de diversas entidades de classe e da sociedade civil, sendo as pioneiras o Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias,Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo Sescon – SP, a Associação Comercial de São Paulo – ACSP, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo-Fiesp e a Ordem dos Advogados do Brasil – OAB.

Ainda no mês de janeiro de 2005, foi realizado um encontro em São Paulo, na sede do Sescon – SP, com a presença do ministro Guilherme Afif Domingos, então presidente da Associação Comercial de São Paulo, quando o movimento ganhou maior representatividade.

Integraram-se à luta a Fenacon, Fecomercio, OAB/PR, CFC, Fecopar, Sescap-PR, Fehospar, CRO-PR, CRM-PR, Corecon-PR, Senac-PR, Setcepar, Sicontiba, Creci-PR, Faep, Sincopuava, Múltipla, Cooperlog, entre muitas outras, chegando a contar com a adesão de cerca de 70 entidades de todo o País.

No ato seguinte, ocorrido em 15 de fevereiro, a Frente reuniu mais de 2 mil pessoas e cerca de 1.100 entidades representativas dos contadores, advogados, médicos, artistas e outras categorias profissionais, no Clube Espéria, em São Paulo, para a assinatura de um manifesto. O documento foi entregue pelos representantes da Frente em audiência com os então presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara Federal, Severino Cavalcanti, que acabavam de assumir os cargos em Brasília.
Na ocasião, houve ainda a distribuição de cartilhas com informações sobre o impacto da MP 232 aos parlamentares que participariam da votação. “A sociedade brasileira já não suporta mais a carga tributária e a MP 232 é apenas a gota d’água. O Congresso tem de reagir e mudar a Constituição para que o governo não possa aumentar impostos por medidas provisórias”, afirmou Afif Domingos, naquele momento.

A intensa mobilização e a pressão da classe empresarial e da sociedade brasileira deu resultado: após uma tumultuada votação da MP na Câmara, com pedido de retirada de pauta pelo presidente da Casa, Severino Cavalcanti, no dia 31 de março de 2005, o governo editou a Medida Provisória 243, publicada no Diário Oficial da União – DOU em 1º de abril, revogando grande parte das determinações contidas na MP 232, e livrando os brasileiros do “tsunami tributário”, como a medida era chamada à época.
“A forte reação da sociedade, com a criação da Frente Brasileira Contra a MP 232, fez com que o governo federal desistisse de aumentar os impostos para os prestadores de serviços, sendo aquela a primeira vez em que uma medida que aumentava os tributos não foi convertida em lei”, relembra Gilberto Luiz do Amaral, do IBPT.

Fonte: Maxpress

E-mail

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

^