Home » PacaembuCNC » Indicadores econômicos ajudam no planejamento de pequena empresa

Indicadores econômicos ajudam no planejamento de pequena empresa

23 de janeiro de 2015
PacaembuCNC

Especialistas entrevistados pelo DCI falam sobre os índices de preços e pesquisas setoriais que os pequenos empresários podem utilizar para formar preços e balizar custos e investimentos

Paula Salati

São Paulo – Os pequenos empresários podem utilizar indicadores econômicos oficiais para planejar melhor o seu orçamento em 2015. É o que orientam especialistas entrevistados pelo jornal DCI.

Ainda pouco utilizados na organização dos pequenos negócios existentes no País, os índices hoje disponibilizados por institutos e associações de classe ajudam na formação de preços e no momento de balizar custos e investimentos.

O assessor econômico da Federação de Comércio do Estado de São Paulo (FecomercioSP), Fábio Pina, diz que alguns indicadores são básicos para que os pequenos empresários se mantenham informados sobre a conjuntura do seu setor de atuação. Esses são divulgados pelo Instituto Brasileiros de Geografia e Estatística (IBGE), como a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), Pesquisa Industrial Mensal e a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS). “Esses são razoáveis para a formação de estoques e preços”, afirma Pina.

Já o Índice de Estoque (IE), calculado pela Fecomercio, é importante para que os varejistas fiquem cientes das tendências do setor. “Nesse indicador é realizada uma pesquisa com 600 empresas de varejo da região metropolitana de São Paulo. Com isso, o empresário consegue ter uma percepção mais ampla de como estão as vendas das concorrentes. Se eu vejo, por exemplo, que as vendas nas outras lojas estão aquecidas, é melhor eu ajustar meu estoque para atender o mercado”, diz.

Pina acrescenta que os indicadores de emprego na indústria são um termômetro do consumo e, portanto, das vendas no comércio.

O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) também é importante na organização das pequenas empresas. “O IGP-M corrige contratos de aluguel, um item que compõe parte significativa das despesas de uma pequena empresa. Em muitas delas, o aluguel representa 50% das despesas”, comenta o representante.

Inflação interna

Para o coordenador da incubadora de negócios da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), José Amato Balian, o ideal para um planejamento adequado é a criação de um índice de preços próprio da empresa. “Isso não é difícil de fazer e com tabelas no Excel se resolve. Você monta uma planilha de preços de materiais e serviços que utiliza na empresa e vai verificando a variação de preços a mês a mês. É uma forma mais correta de repassar custos do que se balizar pelo IPCA [Índice de Preços ao Consumidor Amplo], por exemplo, onde há um repasse médio”, sugere Balian.

Dados

O Índice de Preços Produtor (IPP) é um indicador importante no planejamento das indústrias. Na última sondagem, divulgada no dia 7 de janeiro, o IPP mostrou variação positiva de 1,16% em novembro de 2014, em relação ao mês anterior. Na comparação com o mesmo mês de 2013 – acumulado em 12 meses – os preços aumentaram 4,56%, contra 4,03% em setembro.

Entre as atividades que tiveram as maiores variações percentuais no indicador acumulado no ano sobressaíram a metalurgia, com alta de 10,48%, bebidas, em 8,92%, máquinas, aparelhos e materiais elétricos, com aumento de 8,42% e calçados e artigos de couro, que tiveram variação positiva de 7,96%.

O IE da FecomercioSP, divulgado na última terça-feira, registrou quedas de 11,8% em janeiro na comparação com o mesmo período do ano passado e de 2,9% ante dezembro de 2014, ao passar de 110,6 para 107,4 pontos. O recuo ocorreu por conta do aumento da proporção de empresários que disseram ter estoques abaixo do esperado – de 13,8% para 16,3% – acompanhado de pequena redução daqueles que disseram ter estoques acima – 30,8% para 29,9%.

Fonte: DCI SP – Economia 23/01/15

E-mail

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

^