Home » PacaembuCNC » Governo discute mudanças na regra de impostos para pequenas empresas

Governo discute mudanças na regra de impostos para pequenas empresas

23 de fevereiro de 2015
PacaembuCNC

Reunião entre os ministros Joaquim Levy e Afif Domingos foi realizada na última sexta-feira para se chegar a um programa que crie uma transição no processo de crescimento das companhias

DCISão Paulo – O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, se reuniu na sexta-feira com o ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, para negociar o projeto que muda a incidência de tributação para as pequenas empresas.

O programa foi batizado de “Crescer Sem Medo”. A intenção é chegar a um desenho final na próxima semana, para que a presidente Dilma Rousseff possa enviar o projeto de lei ao Congresso Nacional na quinta-feira, quando ela deve participar de cerimônia para anunciar medida para agilizar o fechamento de empresas.

De um lado, o projeto estimula os pequenos empreendedores a crescer. Do outro lado, a mudança significa novas desonerações para o governo federal. “Levy gosta muito da ideia da simplificação e do Crescer Sem Medo. O problema é calibrarmos as desonerações em função deste momento e da situação fiscal do País”, afirmou Afif. “Acho que chegaremos a uma fórmula, porque a formalização elimina a ideia da perda. Com mais gente pagando menos, o governo arrecada mais”.

O objetivo do projeto, segundo Afif, é tornar mais suave o crescimento de uma pequena empresa, já que hoje esses empresários têm receio de aumentar o faturamento e passar a pagar uma proporção maior de impostos, ao mudar de faixa de tributação. “A micro e pequena empresa tem medo de crescer e pular de faixa. Estamos fazendo um desenho que substitui as escadas de crescimento por uma rampa mais suave”, disse o ministro.

A intenção é que o empresário, ao conseguir aumentar seu lucro, pague a alíquota maior apenas sobre a diferença em relação ao faturamento anterior, e não sobre o faturamento anual total.

Se ele faturava até R$ 120 mil anuais e passou a receber R$ 121 mil, o sistema atual estabelece que ele pagará uma alíquota maior sobre os R$ 121 mil (faturamento total), pois mudou de faixa de tributação. Com o sistema que está sendo desenhado, ele pagará a alíquota nova apenas sobre R$ 1 mil (diferença do faturamento), e os outros R$ 120 mil continuarão a ser tributados da mesma forma.

Se o processo sair como planejado pela Secretaria da Micro e Pequena Empresa, a proposta entrará em vigor em 2016. O projeto reduz de 20 para sete as faixas de tributação do Simples.

Na reunião, Levy apresentou a Afif ponderações em relação às faixas de faturamento e, durante o fim de semana, a equipe da Secretaria da Micro e Pequena Empresa e a Fundação Getulio Vargas (FGV) vão trabalhar para fazer uma apresentação a Levy na segunda-feira. “Estamos fazendo uns ensaios para chegar a um termo razoável para o governo”, afirmou Afif.

Inovação em São Paulo

A Agência de Desenvolvimento Paulista começou a oferecer, desde sexta-feira, a Linha Inovacred Expresso, da Finep, que tem como objetivo desburocratizar a concessão de financiamentos para projetos de inovação de micro e pequenas empresas.

A nova modalidade vai financiar atividades relacionadas à inovação para empresas com receita bruta anual de até R$ 16 milhões. Com uma operação mais simplificada e limite de financiamento é de até R$ 150 mil, a taxa de juros é de 0,68% ao mês com prazo de pagamento que pode chegar até 48 meses, incluindo a carência de 6 a 12 meses.

“O governo e a Desenvolve SP buscam oferecer as melhores condições para o empresário aumentar a competitividade por meio do investimento em inovação. A ampliação das opções de crédito incentiva o empreendedor a continuar apostando no crescimento da sua empresa”, diz Milton Luiz de Melo Santos, presidente da Desenvolve SP.

Entre os principais itens que podem ser financiados pela Linha Inovacred Expresso estão: equipamentos nacionais e importados; aquisição de softwares vinculados ao desenvolvimento de inovação; matérias primas e materiais de consumo ligados à prototipagem ou lotes pioneiros; serviços de consultoria tecnológica.

Fonte: DCI SP – 23/02/15

E-mail

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

^